sexta-feira, 30 de maio de 2008

#108 - Você ainda está aqui?

Sete de Junho de 1998 - um dia de grande alegria para mim, tendo em vista ter sido dia da minha primeira grande e importante aquisição - o meu primeiro computador: o Compaq Presario 2240. Tive em minhas mãos uma teconologia moderna em termos de software e hardware, incluíndo aí o processador AMD K6 de 200 MHz, memória básica de 32 MB, que foi expandida mais a frente para 64MB, disco Rígido de 2,1 GB, modem de 56K para acesso à internet (discada na época), drive de CD ROM e também de disquete de 3 ¹/²" e mais a frente, passei a ter o Zip Drive (externo) como um poderoso aliado para back up com discos capazes de armazenar até 100MB e o famoso monitor de 14", também da Compaq .
O tempo foi passando e em primeiro de janeiro de 2000 (depois de ter vendido o anterior) recebi meu segundo pc - o Compaq Presario 5423, também com tecnologia de software e hardware indiscutíveis como processador AMD K6 II de 450 MHz, memória RAM de 32 MB, que foi expandida para 128MB, um HD de 4,3 GB, acompanhado do bom monitor Compaq de 14" com uma placa de vídeo de 4 MB, drive de CD ROM de 32x, além da placa de rede para acesso à internet (agora por banda larga) e 2 discretas entradas para USB e um drive de CD-RW que adquiri mais a frente.
Chegou o dia cinco de junho de 2006 e foi a hora de trocar o bom e velho amigo por um CCE PCLW2BL, com drive de CD-RW (e drive de DVD-RW adicionado recentemente), o de disquete de 3 ¹/²", 256MB (expandido inicialmente, antes mesmo da garantia vencer, para 512MB e atualmente para 1,25GB) e mais 6 entradas para USB.
Paralelo a isso tudo, a Apple com o seu indiscutível Macintoch (batizado depois de Mac, eMac, iMac e outras variações) desde meados da década de 90 começa a "eliminar" o famoso drive de "floppy disk" e finalmente em 1998 decreta sua morte de vez.
Até a aquisição do meu último pc, não via com bons olhos a morte do disquete de 1,44 MB apesar de várias mídias superiores em termos de capacidade e resistência (ex.: zip - 100/250MB, cd - 700MB, dvd - 4GB etc.), pois ainda não estavam a altura quando se tratava de transportar o pequenino de um lado para o outro (um disquete cabe no bolso de uma camisa). Mas eis que surge o pendrive. Comecei tendo um de 128MB (não durou muito tempo e queimou), adquiri o seguinte de 1GB e estou com mais outro de 2GB. Além de ser, na minha concepção, a melhor mídia de armazenamento de todos os tempos, a sua aceitação está sendo tão grande que aparelhos como: dvd, rádio, tv, impressora entre outros, já estão rendendo-se à pequena jóia da informática. Sem sombra de dúvida é a melhor mídia de todas que estão por aí. De capacidade de 128MB até 16GB e preços a partir de R$ 20,00 (dados colhidos até a data do fechamento desse texto - 9/9/2007), ele é pequeno, leve, com alta capacidade e adaptável em qualquer máquina sem a necessidade de software específico.
Então eu pergunto: qual a real necessidade do disquete hoje em dia?
Abraços!

9 comentários:

Milkshake / ALV disse...

Disquete? Isso nao te pertence mais...

alias, meu computador nao tem leitor de disquete.

e eu tenho um numero consideravel de pen drives. e quero mais...

Lílian disse...

Oi! Td bom? ^^ Poxa, seus posts são tão gostosos d ler q ñ perdi tempo, já li tds os q eu perdi e + o atual. Então vou falar d td um pouco. Tbm ñ vejo pra q disquete. Estou vendendo rifas d um pendrive, qr comprar uma rifa? XD é por uma boa causa! >.< c bem q dizem q é mto fácil pegar vírus em um. Sobre a parada, realmente tem mto desrespeito sim, por parte dos héteros e dos ñ hétero. Mesmo dentro do grupo GLBT há diferenças, há diferenças tbm entre os góticos, entre os evangélicos, entre as mulheres, entre os índios, entre os escoteiros, entre os nipodescendentes, entre TDAS as minorias. Acontece q algumas delas são unidas a pesar disso e conseguem alguma coisa lutando juntas, outras nem tanto ¬¬'
burocracia é uma merda e realmente a má vontade p/ atender qm precisa é mto grande. Eu estudo numa escola pública e tenho q lidar com isso tds os dias. Paciência.
sobre o seu último comentário, eu fico mto feliz d ter um homem entre os meus leitores, pq acho q os dois lados têm q ser conscientizados do preconceito q é nesse negócio d ter nojo d menstruação, tratar o assunto como tabu, etc. Então, foi uma atitude mto legal a sua d prosseguir com a leitura. =D Valeu!
beijos =*****

Aninha disse...

Me lembro como se fosse hoje o dia em que o pai, em virtude do trabalho dele, com contabilidade, chegou com um computador lá em casa. Acho que era um CP (ou PC?) 500. Era algo grandão, com letrinhas em verde, uns discos bem grandes, também... Mas aquilo parecia o que poderia haver de mais moderno dentro da nossa casa!!! Rs...
Abração, Will!
Adoro quando encontro seus recados no 7x7. Desculpe a ausência...

Anônimo disse...

Oi, William.

Acho que a reposta vai ser unânime. O disquete perdeu de vez a sua utilidade, principalmente quando vieram os pen-drivers.

O meu computador ainda é um COMPAQ que comprei em 2000. Minha filha é que tem um microcomputador super atualizado. Mas eu adoro o meu rs..rs..rs.

Beijos,
Márcia.
www.conhecendomel.blig.com.br

Alberto Pereira Jr. disse...

e pensar q antes todos os arquivos q precisávamos cabiam em um ou dois disquetes né?
muito bizarro..

Consuelo Mi disse...

Disket é coisa de pobre, que garra na gente. Pobre não é situação, pobre é raça!

Santa evolução pra vósmicê.

Beijos Michelânicos!

Samara Angel disse...

oie muito brigaduuuuuuuuuuu pelo carinho de sua visita,andei ausente por motivo preciso,mas sempre to de volta,e sempre gosto de suas verdades nuas e diretas,vc é especial,quanto ao disquete ,quem diria que hoje ja nao vale nada até as imagens que guardava ,apagam e outras nem abrem direito,nao tem como gravar tudo num cd né,adoreii deixo meu carinho e uma linda semana,bjss

Tarco Rosa disse...

Realmente, o disquete hoje em dia tem poucas utilidades. Além disso, é mais caro que um CD. Bem, mas essa é a lei da tecnologia. Acho que a relação é a mesma se perguntarmos sobres as antigas fitas k7. Um grande abraço

André Kaworu disse...

Oi...é a modernidade e eu que não vivia sem um disquete, tive que me render a "canetinha" concordo que é um apetrecho incrivel e muito fácil de usar. abraços e boa semana!!