domingo, 9 de novembro de 2008

#121 - Não te convidei ainda!?...

Tenho por hábito, comentar para todos que perguntam e comentam, sobre a questão de levar qualquer pessoa para minha casa, esteja eu no grupo que for. É fato que não conhecemos as pessoas com uma semana de bate-papo ou até mesmo um mês de convivência. O grande problema (ao menos do povo carioca) é que são considerados muito hospitaleiros (não que o pessoal de outras regiões não sejam) e sempre acham que tudo acaba em festa (não é a toa que o personagem da Walt Disney Zé Carioca tinha o estereótipo de bom malandro) e bagunça. Já repreendi várias vezes, muitas pessoas, pelo fato de acharem que por me conhecerem, deveriam ter a liberdade e acesso livre à minha casa.
Antes de convidar alguém para o meu lar, observo muito como essa age, como reage a determinadas situações etc. Tenho inúmeros defeitos, confesso, mas tenho qualidades suficientes e bom senso para me portar em quaisquer ambientes, desde um lugar mais simples a um sofisticado e requitado.
Alguém que quebra algo na empresa, não respeita o espaço alheio e diz dane-se para tudo, não merece nem minha presença, quanto mais minha amizade e menos ainda a freqüencia na minha casa.
Portanto, antes de cogitar pisar no corredor de acesso à minha casa e até mesmo querer entrar na minha vida, prove que merece.
¿Abraços!

2 comentários:

Fantôme disse...

Eu lembro quando o coroa morava aqui, antes de casar. Ele era o maior paranóico com gente que entrava aqui. E ele tinha razão, não tem nada mais chato que gente que entra na sua casa, repara em tudo e fica espalhando depois pros outros. Depois que ele se casou e o apartamento reformou, isso cessou um pouco, mas eu tenho medo de gente que eu mal conheço e entra aqui. Aquele crente que vinha aqui era um tremendo elza. Eu era obrigado a andar com carteira e celular dentro do bolso o tempo inteiro e ficar vigiando o cara até ele ir embora.
O melhor mesmo, na minha opinião, é não convidar ninguém e marcar encontro em algum shopping, para evitar problemas.

Salut.

Rico Salles disse...

Concorco contigo, nossa casa é um ambiente sagrado, nosso espaço, é a intimidade que expomos em forma de objetos e energia, não devemos arriscar este ambiente. Abraço!