quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

#160 - Palpite X Conselho.

Tenho plena consciência de que não sou o dono da verdade, mas nunca fui adepto a aceitar tudo que ouço por aí, sem que seja comprovado a veracidade da informação transmitida para mim ou até mesmo a comprovação de que o que me é dito é viável ou não.
Ouvir conselhos é sempre muito bom mas palpites não me agradam.
Penso que, para a pessoa chegar ao ponto de aconselhar alguém, é necessário que esta tenha, reunidas para si, as informações necessárias afim de transmitir ao interlocutor um conselho com fundamento e dentro da realidade de quem o ouve.
Quando resolvi não fazer a festa de aniversário em minha casa (por motivos extremamente particulares) e sim em um restaurante próximo à minha casa, comecei a receber uma "enxurrada" de palpites: "por que não faz no Domingo, dia 13?"; "tem um restaurante excelente na zona sul" (eu moro no lado oposto da cidade); "tem um lugar excelente dentro do shopping" (fazer aniversário dentro de shopping e às 21h, quando o shopping fecha às 22h é o uó); "vamos para aquele perto de sua casa" (um lugar meia-boca, como diz meu amigo Gustavo Peçanha); "sair justamente numa 2ª feira?" (como se dia para sair fosse somente no fim de semana) etc. Eu já havia decidido o local e por ser meu aniversário, não pedi palpite a ninguém, apenas informei que estaria lá.
Quando a pessoa não convive comigo e não sabe de minha situação, seja ela em que âmbito for, não gosto de receber conselhos, pois se tornam palpites inúteis, tendo em vista que geralmente é algo completamente fora da realidade e não leva em consideração, entre outras coisas, o que penso. Tive um colega que era o Ás em dar palpites. Sempre com conselhos sem fundamentos e, nas melhores da intenções, não considerava o que eu pensava e muito menos minha situação.
Portanto, pensem bem e analisem a situação antes de aconselhar alguém.
¿Abraços!

Um comentário:

wfabiana disse...

vc é foda tira... rsrsrs
Adorei o q escreveu!!!!

Bjs!